Próximo a Salvador (BA), no município de Aratuípe (BA), a pequena cidade de Maragogipinho possui uma característica única: cerca de 80% de seus habitantes sobrevivem trabalhando com cerâmica. Organizadas na Associação de Auxílio Mútuo dos Oleiros de Maragogipinho, as 60 olarias da cidade – cabanas cobertas de folhas de coqueiro – ainda lutam para receber auxílio governamental ou privado. Cerca de 60% delas possuem torno manual.
Exatamente em um torno desse tipo que Elisio Nazaré Almeida, conhecido como seu Nené, trabalha há 58 anos. Ele conta que aprendeu com os avós e com os tios, que sempre produziram a talhinha, uma espécie de ânfora para guardar água.
“O barro a gente pega em uma fazenda perto daqui. É barro de chão. Tem vermelho, branco e amarelo. O triste é que hoje em dia os jovens não querem mais saber desse ofício. Vão viver de quê?”
As olarias de Maragogipinho estão abarrotadas de peças “que o mercado exige. E a gente tem que vender”, explica um dos oleiros. Poucos são os que se aventuram em peças tradicionais, como as antigas moringas redondas ou peças um pouco mais ousadas. O desenho mantém a antiga tradição das flores e achuriados, tão comuns no legado açoriano deixado pelos colonizadores portugueses.
ELISIO NAZARÉ ALMEIDA
Ampliar foto

Ampliar foto

Ampliar foto
MORINGA ANTIGA
Barro, 25 cm de altura.
Acervo Casa do Artesão
de Maragogipinho
TIGELA E TRAVESSA
Barro, 30 cm de altura
Coleção particular
BILHA ANTIGA
Barro, 25 cm de altura.
Acervo Casa do Artesão
de Maragogipinho
 
Salvador
Rio Real
Maragogipinho
Barra
Cachoeira
Valença
Juazeiro
 
Região Norte
Região Centro-Oeste
Região Nordeste
Região Sudeste
Região Sul
Índice Remissivo e Endereços
Home
Capa do Livro
Produzido por:
Proposta Editorial

Fone:
(11) 3037-7414

e-mail:
info@proposta.com